Resenha: A Culpa é das Estrelas

Você me deu uma eternidade dentro dos nossos dias numerados, estou muito grata por isso… (pág. 235)

 
 
 
 
 
 

 

Título: A Culpa é das Estrelas
Título Original: The Fault in Our Stars
Autor: John Green
Páginas: 288
Ano de Lançamento: 2012
Editora: Intrínseca
Gênero: Ficção Americana

Boa tarde gente, depois de muito tempo aqui está a tão prometida resenha de: A CULPA É DAS ESTRELAS (ACEDE)!!!

Quem nunca ouviu um pouco da história de Hazel e Gus? Acho que (quase) todos já ouviram ou até já leu em algum lugar um pouco sobre eles (é incrível a quantidade de spoiler que você encontra sobre “A culpa é das estrelas”. Antes mesmo de ler, eu já sabia do final ¬¬’). Mas, foi de tanto ouvir sobre eles que me interessei pela história, quis saber que livro era esse que fazia com que as pessoas se emocionassem, queria saber o que o Sr. Green escreveu para fazer com que as pessoas amassem esse livro.

Então eis que me surge Hazel Grace uma adolescente de 16 anos, que tinha tireoide com metástase nos pulmões, ela sobrevive com ajuda de um remédio, mas que um dos médicos acha que esse remédio pode estar piorando os pulmões dela; ela, também, precisava levar para todos os lugares que ia um cilindro de oxigênio (que levava em um carrinho). O grande problema de Hazel é acreditar que em breve irá morrer, já que ela foi diagnostica em estado terminal. Parece que tudo na vida de Hazel gira em torno disso e que só a levará a morte. Até que…

Em uma tarde no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer (no qual Hazel frequentava) aparece Agustus Waters (), ele tinha ido ao grupo para fazer companhia ao amigo Isaac (que tinha câncer nos olhos). Gus tinha 17 anos e teve uma “pitada” de osteossarcoma, adora metáforas e é gato.

Augustus não parava de olhar para Hazel naquela tarde, o que ela acaba achando estranho: “ Na boa, vou logo dizendo: ele era um gato. Se um cara que não é gato encara você sem parar, isso é, na melhor das hipóteses, esquisito, e na pior, algum tipo de assédio. Mas se é um cara gato… Na boa… (pág. 16)”

Assim, começou a história deles, assim começou o pequeno infinito deles, que apesar de Hazel não querer mais uma pessoa que fosse se machucar com a morte dela (os pais já era o bastante e a dor deles, ela não poderia evitar), ela foi se apaixonando por Gus do mesmo jeito que alguém cai no sono: “Gradativamente e de repente, de uma hora pra outra.”

Basicamente é isso, em quase todo o livro você lê como foi o amor dos dois e como era a luta de Hazel com o câncer. O que realmente achei desse livro? É uma boa pergunta kkk, não sei o que responder, o livro é bom, mas fiquei meio sem reação, sem saber realmente o que achei. Não me emocionei, não chorei; mas, ri em alguns momentos, gostei da história vivida por Hazel e Gus. Porém, é só isso. Pretendo reler esse livro, e tentar me apaixonar por ele (me senti anormal por não ter me apaixonado tanto por eles)…

Entretanto, sim, estou muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito ansiosa para o filme. x)

Confiram:

Sinopse: Você pode conferir aqui.

Jusley A.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s