Resenha: Um dia

“Brincadeirinha” era exatamente o tipo de coisa que as pessoas escreviam quando estavam falando sério. [pg. 35]

 

 

Título: Um Dia
Título Original: One Day
Autor: David Nicholls
Páginas: 412
Ano de Lançamento: 2011
Editora: Intrínseca
Gênero: Romance Inglês

Tem MUUUUITO tempo que não trago uma resenha né? Mas hoje trago a resenha de um livro que amo muito e que foi, literalmente, o primeiro da minha estante. Lembro que ganhei de presente de aniversário do meu pai a muito tempo atrás. Muitos não gostam desse livro e eu até entendo o porquê, porém me desafiei a fazer alguém que não gostou começar a gostar depois de ler o que escrevi. Então vamos lá…

“Um Dia”, traz a história de Emma Morley e Dexter Mayhew, ou Em e Dex. Eles se conheceram no ano de formatura e ficaram muito amigos desde então. Emma era uma pessoa muito romântica, sonhadora e que luta para ter tudo que deseja. Dexter era aquele cara que todas queriam, o bonitão, que só queria aproveitar a vida e que tinha tudo que quisesse na hora que quisesse. Enquanto Emma estava procurando emprego, Dexter viajava pelo mundo. Enquanto Em estava “se afundando” em Londres, Dex está aproveitando mais alguma festa em algum país.

O que ninguém sabia, ou melhor dizendo, o que todo fingia que não sabia, era que Emma era perdidamente apaixonada por Dexter. Porém, com o passar do tempo, essa paixão de Em ia diminuindo enquanto Dex começava a perceber as qualidades dela. A questão é, será que é tarde demais para eles? Será que Emma já havia desistido dele? Será que Dex não queria só mais uma noite?

Esse livro é simplesmente incrível, os capítulos dele são passados todo dia 15 de julho em uma narrativa que é dividida entre Dex e Em, um livro que te faz querer ler cada vez mais, que te cativa. E que te ensina (e é isso que me faz amá-lo) que não perca sua chance, se sente algo por alguém vai lá e fala, antes que seja tarde demais. Que muitas vezes o sentimento é recíproco, mas como você nunca falou, nunca disse nada, nunca expressou seu sentimento, você nunca soube disso. Que não é porque algo deu errado agora que irá ser assim pra sempre. Que aproveite sempre ao lado das pessoas que você ama, você não sabe até quando elas estarão com você… São tantas coisas boas que esse livro me faz sentir, são tantas coisas que penso com ele que nem sei chegar aqui e contar sobre ele.

É um livro lindo, com romance lindo, uma história cativante, emocionante, qualquer detalhe dado estraga a grande história entre Em & Dex. É um livro que vale muito a pena ler e que eu digo a vocês: Tenham a mente aberta, veja além do que acontece, veja o que o livro ensina. Se deixe viver esse romance lindo…

Sim, amo esse livro e não importa o que digam, continuarei amando esse casal. ♥

 Quotes:

“[…] O fracasso e a infelicidade são mais fáceis, porque você pode fazer piada com isso.” [pg. 50]

“[…] Pode me chamar de sentimentaloide, mas não tem ninguém no mundo que eu mais gostaria de ver com disenteria.” [pg. 90]

“[…] Você é linda, sua velha rabugenta, e se eu pudesse te dar só um presente para o resto da sua vida seria este. Confiança. Seria o presente da Confiança. Ou isso ou uma vela perfumada.” [pg. 51]

“[…] Você é um quebra-cabeça de duas peças… — Sentou-se e limpou a grama da pele. — De uma cor só.” [pg. 73]

“[…] — Ah, você me conhece. Eu não tenho emoções. Sou um robô. Ou uma freira. Uma freira robô.
— Não é, não. Você finge ser, mas não é.
— Ah, não se preocupe. Eu gosto muito de estar envelhecendo sozinha…”
[pg. 74]

“[…] — Sou, sim, Dex. Juro por Deus, eu mesma me acho chata.
— Bom, eu não acho você chata. — Pegou a mão dela. — Você nunca vai ser chata para mim. Você é uma em um milhão, Em.”
[pg. 78]

“[…] Inveja é uma espécie de impostos que se paga pelo sucesso.” [pg. 187]

“[…] Amigos eram como roupas: lindas enquanto novas, mas acabavam se desgastando ou não cabiam mais.” [pg. 187]

“[…] Por que uma mulher não poderia ter um pouco de autoconfiança em vez de se comportar o tempo todo como espantalho?” [pg. 197]

“[…] Você mesmo disse que as pessoas mudam, não adianta ser sentimental a respeito. O negócio é ir em frente, encontrar outras pessoas.” [pg. 205]

“[…] — Dexter, eu te amo muito. Muito, muito, e provavelmente sempre amarei. — Os lábios dela encostam no rosto dele. — Só que eu não gosto mais de você. Sinto muito.” [pg. 206]

“[…] — Solidariedade pela solteirona. Eu estou bem, obrigada. E me recuso a ser definida por um namorado. Ou pela falta de um namorado. — Começa a falar com bastante intensidade. — Quando você não se preocupa mais com essas coisas, com encontros ou relacionamentos, amor e tudo o mais, é mais fácil se sentir livre para tocar a vida real.” [pg. 276]

“[…] Retomou a caminhada para o sul, em direção a The Mound. ‘Viver cada dia como se fosse o último’ — esse era o conselho convencional, mas na verdade quem tinha energia para isso? E se chovesse ou você estivesse de mau humor? Simplesmente não era prático. Era bem melhor tentar ser boa, corajosa, audaciosa e se esforçar para fazer a diferença. Não exatamente mudar o mundo, mas um pouquinho ao redor. Seguir em frente, com paixão e uma máquina de escrever elétrica e trabalhar duro em… alguma coisa. Mudar a vida das pessoas através da arte, talvez. Alegrar os amigos, permanecer fiel aos próprios princípios, viver com paixão, bem e plenamente. Experimentar coisas novas. Amar e ser amada, se houver oportunidade.” [pg. 408-409]

Sinopse, clique aqui.

P.s.: Assistam o filme também (também é muito lindo).

Grandes beijos e abraços…

Instagram •• Twitter •• Facebook •• Pinterest

layoutoficial2

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s